Imagem capa - Enfim, humanos. por Murillo Medina
RetratosEnsaio Fotográficoquarentena

Enfim, humanos.

Março de 2020.

Com a pandemia chega a quarentena, e com ela aquela "virada de mesa" na tua vida: sai a empregada faz tudo da casa, entram os filhos, pai, mãe, e o dog que não pode mais dar seu rolê da manhã e da noite.

Todo mundo juntinho. 24/7/365.


Com algumas variações a sequência de adaptações passou por aquela gritaria infernal, os filhos disputando seu computador pra entrar na aula, o dog sujando a casa toda até achar o jornal, roupas empilhadas na lavanderia e a montanha de louças alcançando o Everest.

Como se não bastasse toca o celular: é teu chefe com a câmera aberta abrindo aquele "call" com a filial da Ásia.


Não foi fácil.

Mas aos trancos e muitos barrancos a vida foi se re-ajeitando.

E o Departamento de Contas a Pagar descobriu que sai muuuuito mais barato manter você e toda a divisão em casa do que bancar a locação de um prédio inteiro.

Sim. o "homeoffice" veio pra ficar.


Novo "call".

Na foto do perfil uma executiva de cabelo patinado em corte simétrico, "tailleur" em caimento impecável e a imagem de autoridade, segurança e liderança.

Um a um vão entrando os participantes, microfone timidamente aberto e aquela foto do crachá estampando a tela.

Mas eis que chega o "stakeholder" da porra toda, de câmera aberta em camiseta e barba de 2 dias.


Uma a uma as câmeras se abrem. E o que se vê agora é um mosaico, não de crachás, mas de pessoas reais. De pais, mães, de tantos gêneros, cores e tatuagens ali à mostra, à flor da pele. Tão frágeis quanto honestos. E humanos.


Outro dia uma amiga querida me encaminhou o artigo de uma consultora de imagem, falando justamente da troca da foto de perfil da diretora do RH de uma grande multinacional de tecnologia.  A primeira foto, que seguia o rigor da sua posição na hierarquia com o escritório da empresa ao fundo, cedeu espaço para uma mulher sorridente, de cabelos soltos e bochechas rosadas, desfilando sua camiseta de algodão pela casa.

Preciso dizer que imagem me causou mais empatia?


Na sua próxima "call", que foto de perfil você vai usar? A do "tailleur" irrepreensível pra que o povo todo se choque quando a câmera se abrir?

Ou uma foto bem feita que leve ao mundo toda essa grandeza frágil e sábia de quem você É hoje?


De uns tempos pra cá tenho me dedicado a retratar profissionais que com sabedoria fizeram da parada obrigatória da quarentena seu casulo, e de dentro dele estenderam as asas da renovação nos processos e atitudes, com coragem para mergulhar nos problemas e desafios urgentes à nossa permanência neste mundo.


Os trajes executivos deram espaço para colares e sandálias.

As perspectivas em aço e vidro agora apontam para a trepadeira no jardim, o dog que ri e o gato no colo.


Somos, enfim, humanos.


E você, se identificou em algum momento? Por que não clica neste botãozinho verde do whatsapp pra renovar suas fotos comigo? ;-)